Série A
Like

Alabê de Jerusalém na quadra da Viradouro

11 de janeiro de 2016
195 Vizualizações
0 Comentários
6 minutes read
Alabê de Jerusalém na quadra da Viradouro

02 - Alabê de Jerusalém 3O Samba vai dar lugar a Ópera. Antes de contar a história do Alabê de Jerusalém na Marquês de Sapucaí, no dia 05 de fevereiro, a Unidos do Viradouro vai apresentar para a sua comunidade a obra de Altay Veloso que serviu de inspiração para o carnavalesco Max Lopes desenvolver o enredo da Vermelha e Branca de Niterói na busca pelo retorno à elite do carnaval carioca. A quadra da escola será palco para a ópera brasileira Alabê de Jerusalém, nos dias 13, 14, 15 e 16 de janeiro de 2016, sempre às 20h30, com entrada gratuita. O espetáculo, sucesso de público e crítica, e com direção e coreografia de Fábio de Mello, conta com a participação de dezenas de artistas, entre eles Isabel Fillardis, Watusi e Jayme Periard, e é uma celebração a tolerância e ao amor. A realização é da Prefeitura de Niterói em parceria com o Ministério da Cultura.

O Alabê de Jerusalém, fala sobre a saga de Ogundana, africano do antigo Daomé (atual Nigéria), contemporâneo de Jesus Cristo, que hoje, dois mil anos depois, retorna a terra para contar sua história. Era ele quem cuidava da casa da música na tribo dos Iorubás. A ópera trás passagens marcantes da trajetória de Ogundana, como a amizade com Jesus e a paixão por Judith.

A riqueza musical e poética da obra, a primorosa construção cênica, os mais de 250 figurinos, aliados a um corpo de balé com 24 bailarinos, um coral com 18 cantores e uma trilha musical gravada por mais de 80 músicos, dão origem a essa grande ópera brasileira para tempos de globalização da consciência. Fruto de mais de 25 anos de pesquisa, a peça foi encenada pela primeira vez em 2005, no Teatro Municipal do Rio de Janeiro, e contou com a participação de Lenine, Elba Ramalho, Alcione, Sandra de Sá, Fafá de Belém, Zezé Motta, Lucinha Lins, entre outros. Daí em diante foram inúmeras apresentações, levando milhares de pessoas ao teatro.

A saga de Ogundana se inicia quando ele deixa sua tribo do reino Iorubá ainda menino, com 12 anos, e segue rumo ao norte da África. Depois de caminhar por anos, conhecendo nações, atravessando desertos, savanas, montanhas e vales africanos, chega, enfim, já com 20 anos de idade, às margens do Rio Nilo, onde aprende a avançada medicina do Egito. Une, assim, os conhecimentos terapêuticos aos que aprendeu em sua aldeia, tornando-se um homem capaz de curas. Em sua jornada, no território da Núbia, Ogundana encontra um centurião romano com um sério ferimento feito por uma espada. O Africano, então, cura o oficial, que por agradecimento o convida a ir a Roma.

Em Roma, Ogundana passa a receber soldo para ser um dos médicos do exército romano e quando Pôncio Pilatos é designado governador da Judéia, parte junto da tropa. Na cidade de Cesaréia, apaixona-se por Judith, uma linda judia que é prima de Maria Madalena. Na Galiléia, Ogundana ouve o Sermão da Montanha, conhece Jesus Cristo e, apaixonado pelos ensinamentos do Mestre, o segue até os seus últimos dias, em Jerusalém.

Hoje, dois mil anos depois, no Brasil, num templo de culto africano, o homem de Daomé retorna ao planeta como uma entidade de nome Alabê de Jerusalém para contar sua experiência.

O espetáculo, desde a sua estréia, tem tido o apoio de todos os setores da comunidade artística brasileira, das instituições que trabalham para a efetiva inclusão social daqueles a quem, historicamente, tem sido negada uma participação digna na vida do país e, por conta do seu conteúdo, que busca o mais profundo sentimento de amor, respeito e tolerância entre as diferentes culturas, o Alabê tem recebido congratulações de entidades como a Unesco.

Além de ser uma celebração cultural de alto nível, a peça se propõe a emocionar e provocar uma reflexão sobre os temas da tolerância e da convivência pacífica entre as diferentes crenças e raças. A obra é resultado de mais de duas décadas de pesquisas, inclusive com viagens a Jerusalém, à Nigéria, a Angola e à Bahia.

Serviço:

ALABÊ DE JERUSALÉM na quadra da Unidos do Viradouro

Ópera brasileira de Altay Veloso, com direção de Fabio de Mello e participação de dezenas de artistas, entre bailarinos, atores e músicos

Temporada: de 13 a 16 de janeiro de 2016

Horário: 20h30

Local: Quadra da Unidos do Viradouro

Endereço: Av. do Contorno, 16, Barreto, Niterói-RJ

Classificação: livre

GRATUITO

Fechado para novos comentários.