Em Cima da Hora
Like

Em Cima da Hora divulga sinopse

20 de julho de 2015
145 Vizualizações
0 Comentários
4 minutes read
Em Cima da Hora divulga sinopse

logoemcimadahora2016G.R.E.S. EM CIMA DA HORA
CARNAVAL 2016

ENREDO: NA ROTA DAS ESPECIARIAS: O LEVA E TRAZ DE CHEIROS, AS SURPRESAS DA NOVA TERRA.

Crenças e costumes

O Egito antigo construiu uma sociedade extremamente religiosa que determinou práticas culturais e sociais, sendo uma delas a crença na imortalidade.
Acreditava-se que, após a morte, a alma comparecia ao tribunal do deus Osíris para o julgamento pelos seus atos em vida. Inocentada, a alma poderia voltar a ocupar seu corpo se o mesmo tivesse condições de recebê-la. Para isso, o corpo precisava ser embalsamado com especiarias perfumadas e bandagens de linho branco, o que para os antigos egípcios era um ritual sagrado.
Assim, os faraós tinham a esperança de que os espíritos voltassem para retomar seus corpos e terem a vida eterna após a morte.

A saga no Oriente

As especiarias do Oriente eram valiosas, estavam longe e demoravam para chegar às mesas ocidentais. Por séculos, os árabes haviam sido os donos absolutos desse comércio, mantendo segredo sobre suas rotas.
A partir do século XII, Veneza foi entrando no cenário mercantil com Gênova. Com boa estratégia comercial e grande apreço ao luxo, aos poucos estabeleceu parceria com os árabes. Os países europeus que quisessem comprar especiarias tinham que recorrer aos comerciantes italianos, que possuíam o monopólio desses produtos.
No século XV, aquele ir e vir de mercadores tornou-se difícil, pois os turcos otomanos tinham fechado as rotas comerciais. No mar, complicaram a vida dos árabes afundando seus navios, e estes perderam, de vez, o domínio do Mediterrâneo fazendo com que novas rotas fossem descobertas.
Quando se tratava de mares desconhecidos era muito comum o medo gerado pela falta de conhecimento e pela imaginação da época. Encontrar um novo caminho para as Índias era uma tarefa difícil, porém muito desejada. Os portugueses tinham uma frota embicada para o Atlântico e conhecimentos náuticos suficientes para empreitada rumo ao Oriente.

Em busca dos tesouros

As riquezas do Oriente cintilavam nos sonhos europeus. Numa das maiores aventuras empreendidas na era moderna, os portugueses se lançaram aos mares abrindo caminhos até elas. Riquezas significavam as mais desejadas especiarias – indispensáveis para conservar os alimentos – e ainda marfim, escravos, ouro, pedras preciosas, sedas, pau-brasil e outros bens apreciados pelos ocidentais. Costeando a África alcançariam a Índia, marco da saga que se desenrolaria pelos mares, onde terras seriam descobertas.
As viagens pelo Atlântico fariam do século XVI a fabulosa era dos descobrimentos, com a revelação de um extenso continente revestido de florestas, gente nua e avermelhada integrada às matas e aos bichos e outras incríveis surpresas que enriqueceriam os portugueses.

Desenvolvimento, pesquisa e texto: Raphael Torres e Alexandre Rangel

Fechado para novos comentários.