Escolas mirins
Like

Estrelinha da Mocidade divulga sinopse

25 de junho de 2013
97 Vizualizações
0 Comentários
6 minutes read
Estrelinha da Mocidade divulga sinopse

A Estrelinha da Mocidade deu a largada para o carnaval 2014 e divulgou, na noite da última segunda (24), o seu enredo para a próxima folia.  A verde e branco mirim de Padre Miguel levará para a Sapucaí o enredo “Chegou a hora dessa nossa molecada mostrar seu valor” que será desenvolvido por uma Comissão de Carnaval.

Para o que vem as escolas mirins levarão para a Avenida uma temática única, homenageando a Copa do Mundo que se realizará no Brasil.

Em plenária realizada na AesmRio, os presidentes sortearam 16 temas envolvendo o esporte que é a grande paixão nacional, e, para a Estrelinha coube cantar a Copa de 1994, quando a seleção conquistou o tetra campeonato. “O enredo tem como base a música Brasil Pandeiro de 1940 de Assis Valente. A garotada da Estrelinha vai mostrar ao Tio Sam o nosso batuque diferente!” Afirmou Ricardo Dias – Presidente da Agremiação.

A entrega oficial da sinopse aos compositores será no dia 06 de julho, a partir das 19 horas, na quadra da Avenida Brasil. A ala de compositores está aberta para os interessados de 7 a21 anos.

 

Chegou a hora dessa nossa molecada mostrar seu valor – Estrelinha 2014

 

Introdução:

Em 2014 o mundo se reunirá no Brasil para celebrar a grande festa do futebol mundial. E nada mais justo que as escolas de samba mirins do Rio de Janeiro se reúnam para cantar essa paixão nacional no carnaval carioca. Para a Estrelinha da Mocidade, ficou a missão de lembrar o mundial de 1994, quando nossa seleção conquistou o seu tetra campeonato, nos Estados Unidos, após vinte e quatro anos de jejum. Um Mundial inesquecível, com personagens e histórias marcantes.

A trilha é “Brasil Pandeiro”, de 1940, nas brasileiríssimas vozes dos Novos Baianos. A emoção é a mesma que embalou o Brasil em 1994, só que agora entram em campo os craques da seleção de Padre Miguel. Avante, Estrelinha!

 

Sinopse:

Um só compasso marcava milhões de corações aflitos em verde e amarelo. Em segundos, um “chute para o infinito” irá atingir uma estrela e cravá-la no peito de toda uma nação.

Chegou a hora dessa molecada mostrar seu valor!

Da Penha ao Pontal, de norte a sul do meu país, uma gente que tem ginga e “pediu à Padroeira” para ajudar festeja! O grito na garganta, preso desde a “corrente pra frente” ecoa pelos quatro cantos do planeta. Somos os reis de novo!

Salve a Vila Vintém, pendura a saia e empunha a bandeira, que eu quero ver!
O Tio Sam vai tocar pandeiro para o mundo inteiro sambar. É Tetra!

E já que o “Tio Sam está querendo conhecer a nossa batucada” e que
anda por aí dizendo que “o molho da baiana melhorou seu prato”, vamos mostrar para ele que futebol e samba no pé vêm de berço, estão na alma do brasileiro!

Vai provar do cuscuz, do acarajé, do abará… Da caipirinha, da feijoada, do nosso torresminho… Encantar-se com a nossa fauna, flora e com essa gente hospitaleira… Isso sem falar da beleza daquelas que “têm tufões nos quadris”. A Casa Branca vai dançar a batucada de ioiô e também a de Iaiá!

Então: Brasil, esquentai os vossos pandeiros e cuícas! Iluminai os terreiros, as quadras, as ruas! A molecada da Estrelinha quer sambar e mostrar que nosso “baticubum” é diferenciado!

Há até quem sambe diferente, em outras terras, outra gente, que também tem “um batuque de matar”. Tai a “Surdo Um”, a “Tabajara do Samba” e a “Sinfônica” que não nos deixam mentir. Mas é fundamental “mostrar a nossa identidade”! E podemos provar que mesmo “invertida”, garantimos que “Não Existe Mais Quente”!

Seja no campinho de várzea, ou fazendo essa “tal batucada”, o importante é reunir nossos valores, “pastorinhas e cantores”, já que são “expressões” que não têm par.

A Estrelinha da Mocidade só quer mostrar a este simpático “Tio” que, dos pés de uma criança, seja driblando as dificuldades da vida, riscando o chão da Passarela do Samba ou fazendo mirabolantes embaixadinhas, pode brotar a esperança de um futuro melhor.

Do futebol nasceu a nossa arte de sambar! Hoje, a “Mocidade” do Independente Futebol Clube olha para o amanhã e, com garra e determinação, bem como os heróis do tetra, se prepara para as vitórias que estão por vir.

Para Assis Valente, autor de “Brasil Pandeiro”, Carmem Miranda e Mestre André.

Esclarecimento: é importante dar valor às raízes! Nossa batucada é diferente! Nossa afinação é invertida e isso faz parte do DNA desta bateria que é uma instituição do Carnaval Brasileiro. Isso precisa ser respeitado e acima de tudo preservado. Salve a Mocidade!

 

Comissão de carnaval

Texto: Ricardo Dias

 

Fechado para novos comentários.