Carnaval 2015
Like

Leia a sinopse da São Clemente

3 de junho de 2014
129 Vizualizações
0 Comentários
7 minutes read
Leia a sinopse da São Clemente

Enredo: A incrível história do homem que só tinha medo da Matinta Pereira, da Tocandira e da Onça Pé de Boi

Presidente: Renato Almeida Gomes

Carnavalesca: Rosa Magalhães

 

Em Rio Branco era assim, um florestão envolvendo a cidade. Ninguém adentrava na mata – “Tá doido, seu?”  Era habitada pela bruxa  Matinta Pereira, que calava o uirapuru, mas que sumia com a chuvarada, por um bicho brabo, o gogó de sola, de dentada perigosa feito cobra, pela formiga tocandira, peça onça do pé de boi, que todo mundo jura que existia, com pé de boi e tudo.  Pois foi lá nesse lugar tão longe que nosso personagem passou a infância.

Foi crescendo até que um dia chegou a hora de voltar para o Rio de Janeiro, sua terra natal e onde passaria o resto de sua vida.

No Lido é que começou a brincar carnaval, ouvindo “Mamãe eu quero” e “Touradas em Madri”.  O bloco de sujo de que fazia parte ensaiava no cemitério. A molecada se encontrava perto da quadra IV, que ainda estava em construção, e os defuntos ali enterrados não reclamavam do barulho.

“A avenida Rio Branco era um deslumbramento só” – mão dupla, tudo decorado, cheia de grupos fantasiados. Entre os carros, desfilavam os cordões, grupos e blocos com muitos pierrôs, arlequins, tiroleses, holandeses e muitas colombinas também.

Passa o tempo, passa a guerra, passa a ditadura de Vargas, o tempo vai correndo e nosso herói vai se tornando mais adulto e mais valente. Essa avenida Rio Branco, dos desfiles carnavalescos, era  a mesma que abrigava o Teatro Municipal, a Biblioteca Nacional, o Museu e a Escola de Belas Artes. E lá foi ele, atraído pelas artes, para a tal escola, e também para o teatro, onde trabalhou por muito tempo. Foi desse local, numa janela do andar superior, seu camarote exclusivo, que viu pela primeira vez um desfile de escola de samba, com Natal reclamando e a Portela evoluindo ali, naquela mesma avenida.

Um dia, foi convidado para fazer parte do júri das escolas de samba. Aceitou.

E foi também na Avenida Rio Branco que, encarapitado num palanque de madeira, viu um desfile bastante sui generis. “A primeira escola quebrou o eixo do carro… Que entre a segunda… Mas a segunda só entraria se a primeira entrasse… Então que entre a terceira… E nada da terceira, e nada da quarta também – Às onze e meia da noite, chega alguém avisando que a quinta iria desfilar – até que enfim…”

A quinta era o Salgueiro, apresentando enredo sobre Debret – o que cativou nosso jurado: em vez de “Panteão de Glória”, “Batalhas de Tuiuti”, etc., cantava um artista – Debret.

Foi desse dia em diante que nosso personagem tornou-se carnavalesco e salgueirense – as cores vermelho e branco ainda por cima o remetiam ao time de futebol lá do Rio Branco, quando ainda era menino.

Não esperava receber o convite para desenvolver o enredo para o Salgueiro, no ano seguinte. Escolheu a resistência negra durante o período da escravidão, Nzambi dos Palmares, ou Zumbi dos Palmares, assunto que não era focalizado pelas escolas. Virou filme, e Zumbi hoje é símbolo de resistência.

Descobriu para o povo não só o Nzambi como Xica da Silva (foi um estouro!!!), Aleijadinho, e acabou desencavando um enredo sobre uma visita de um rei negro a Maurício de Nassau – cuja música foi cantada não só no carnaval como em estádios de futebol, casamentos e até hoje faz sucesso – Olelê, Olalá, pega no ganzê, pega no ganzá…

Apesar das vitórias, havia uma certa crítica negativa a ele, dizendo que não se deveria interferir numa manifestação popular. Tinham esquecido que, desde a década de 40, as escolas contratavam artistas eruditos e profissionais para realizarem seus enredos.

No ano do IV Centenário da Cidade do Rio de Janeiro, o tema escolhido foi “História do Carnaval Carioca”, que retratava o carnaval carioca dos pierrôs, produzido por Eneida todo ano. Jogaram muito confete e serpentina durante o desfile, e os garis estavam esperando o Salgueiro sair da avenida para limpar tudo antes do desfile da Portela.  Provocativos, os salgueirenses disseram que aquela era a comissão de frente da Portela. Os portelenses obrigaram os garis a irem limpando a pista no final do desfile do Salgueiro. Foi a apoteose – “Puxa, não esqueceram nada, tem até os garis limpando o final da festa!”  Esses garis foram aproveitados mais tarde pelo Joãozinho Trinta no seu famoso desfile dos Ratos e Urubus. Na época, João era aderecista e bailarino. Acabou abandonando a dança e tornou-se carnavalesco, mas esta lá é uma outra história…

O nosso herói fez outros carnavais vitoriosos. Depois, passou a bola adiante e foi se dedicar a vários afazeres nas TVs para as quais trabalhava.

Um dia, cansado da vida, foi embora, acho que um pouco contrariado, pois viver foi sempre uma aventura que encarou sem medo.

Depois de ter sido recebido por uma extensa corte – Nzambi, Aleijadinho, Xica da Silva e outros tantos negros e mulatos que fazem parte da cultura deste país mulato. Agitando bandeirinhas, eles gritaram em coro: “Pamplona, Pamplona, Pamplona…”

 

Rosa Magalhães

Fechado para novos comentários.