Manchete
Like

Leia a sinopse da UPM

11 de maio de 2015
122 Vizualizações
0 Comentários
4 minutes read
Leia a sinopse da UPM

logoupm2016Estória tirada da História.

Reflexão humorada do povo de quem tudo se arranca, menos a alma.

Uma fábula sobre o tamanho da mordida, sobre o tanto que nos tiraram e tiram.

Reinconfidência! A Unidos é a irresignação do povo. Prontinha para refundar o Brasil. Liberdade ainda que folia!

Sim, corremos perigo. Nossa fábula pode custar cabeças e mutilação. Mesmo nos dias de hoje é um ato de insurreição! Os personagens de nossa estória – políticos, burocratas e vendilhões – são ainda personagens que encontramos nos salões.

Meditação com cabimento que não pretende ser lamento.

O tamanho da mordida (um quinto? vinte e sete e meio?) deixa a vida ser vivida? Olho vivo em quem disfarçando seus farrapos com as imagens dos retratos, finge pompa e circunstância para disfarçar a ganância…

Estávamos aqui quando chegaram. Esposaram as mulheres e contaram com hospitalidade. Tomaram de início as árvores. Encantados com a cor da madeira, chamaram-nos Brasil. Restou-nos o ardor que abrasa nossos corpos tropicais.

Quiseram também as almas. As almas puras da gente “dos infernos”. “Infernos”.  Porque terras assim tão quentes incomodaram à gente tão fria.

Banharam-nos de sangue e exportaram o doce de nosso açúcar. Deixaram-nos a “massa negra” com a qual orgulhosamente forjamos nossos corpos e nossos hábitos.

Acorreram em quantidade quando o amarelo do ouro brotou nos aluviões da ribeira. Mas reduziram a beleza das minas aos limites da datação. E quiseram mais. Quiseram o quinto. Essa parte grande do seio de nossa terra. Acharque de nossa inocência que fez bradar lá e cá:  o Quinto dos Infernos. Quiseram a finta, a capitação, e para que nada ficasse de fora: a derrama. E o sonho, em partes de carne do alferes, dependurou-se silente diante da liberdade.

Um rei frouxo chega ao largar seu reino e depois parte deixando um outro. Que louco! Pressionado pela Capital, esvazia nossos cofres e retorna a Portugal. E o povo, com seu trabalho, vê forjar-se a mãe gentil cunhando nessas terras a independência do Brasil…

O problema, que é bem atual, é retratado simbolicamente pelo período colonial.

História repetida pelos motivos da vida. Testemunhada antes por índios e bandeirantes. E como hoje nos privam de novo, a Unidos conclama o povo!

O povo, sempre alferes, com a corda no pescoço! O povo que rói o osso.

Em nosso protesto folia, travestido de carnaval, a Unidos manda aos quintos a ambição infernal. A quem não trabalha ou inventa o povo não sustenta!

Somos povo brasileiro. A alma de nosso sorriso não se mede por dinheiro. Folião é cidadão e exige mais do que pão.

Nossa “marseillaise” é o samba que “derrama” hoje por esta cidade um sonho de igualdade.

E a Unidos, reinconfidente, troca cicatrizes históricas pela redenção de nossa gente!

Fechado para novos comentários.