Eventos
Like

Max Lopes grava depoimento no Museu da Imagem e do Som

19 de novembro de 2015
170 Vizualizações
0 Comentários
4 minutes read
Max Lopes grava depoimento no Museu da Imagem e do Som

Max Lopes_DivulgacaoÉ com muito orgulho que o Museu da Imagem e do Som (Mis) recebe este mês Max Lopes, um dos mais criativos e importantes carnavalescos do Brasil. Ele contará sua trajetória de vida na série gratuita Depoimentos para a Posteridade, dia 25 de novembro (quarta-feira), a partir das 13h30, na sede do museu na Praça XV. Na mesa de entrevistadores, um time de peso composto por Altay Veloso (músico e compositor), Gustavo Clarão (compositor e presidente da Escola de Samba Unidos da Viradouro), Mauro Quintaes (carnavalesco) e Paulo César Feital (compositor e poeta). Max Lopes, conhecido como “o mago das cores” iniciou sua carreira na década de 70, como ajudante de Fernando Pamplona (um dos grandes carnavalescos do carnaval carioca da época) no Salgueiro. Seu primeiro desfile como carnavalesco principal foi em 1976, na escola de samba Unidos de Lucas, com o enredo: “Mar Baiano em Noite de Gala” alcançando a 12º colocação, sendo a escola rebaixada. Mas foi em 1982, na escola de samba União da Ilha do Governador, com o enredo “É Hoje!”, que Max começou a ser conhecido pelas formas com que trabalhava com as cores, ganhando o famoso título, que o acompanha até hoje.

Em 2016, Max Lopes retorna à agremiação vermelha e branca de Niterói, após dois Carnavais fora. Em 2013, ele foi responsável pelo desfile da Viradouro na Série A, quando a escola homenageou o Salgueiro e conquistou o vice-campeonato. Max também teve passagem pela Viradouro de 1990 até 1993. Em 1992, fez história na agremiação com o enredo “E a Magia da Sorte Chegou”, desfile marcado pela beleza, mas também por um tragédia: a do incêndio em uma das alegorias, que tirou da escola um possível campeonato. As expectativas para o próximo desfile, inovações e novidades, são temas que prometem render, ao longo do bate- papo.

“DEPOIMENTOS PARA A POSTERIDADE”
Em 1966, o MIS-RJ, inaugurou o projeto “Depoimentos para a posteridade”, inédito programa de história oral criado para preservar a memória de diversos setores da cultura nacional, tais como a música, a literatura, o cinema e as artes plásticas. Atualmente conta com um acervo de mais de mil depoimentos, com quatro mil horas de material gravado em áudio e vídeo de figuras notáveis, como Nelson Rodrigues, Tarsila do Amaral, Gilberto Braga, Fernanda Montenegro, Paulinho da Viola, Gilberto Gil, Nelson Motta, Ivan Lins, Ary Fontoura, Mauro Mendonça, Rosa Magalhães, Antonio Fagundes, Nicette Bruno, Zezé Motta, Neguinho da Beija-Flor, Zeca Pagodinho, Stenio Garcia, Walter Carvalho, Victor Berbara, entre outros. Vale lembrar que todos os testemunhos ficam à disposição do público nas salas de consulta do MIS, 48 horas depois do término da entrevista.

SERVIÇO
Local: Museu da Imagem e do Som do RJ – Praça Luiz Souza Dantas, 01, Praça XV
Data: 25 de novembro de 2015 (quarta-feira)
Horário: 13h30
Entrada franca
Censura: Livre
Informações: 2332-9520/ 2332-9506
Auditório com capacidade para 50 pessoas

Fechado para novos comentários.