Tag: tijuquinha do borel

A primeira vez ninguém esquece

Com o coração ‘acelerado’, Rafael dos Santos emplaca primeiro samba-enredo na carreira e terá obra interpretada pelo pai na Avenida

MICHAELL GRILLO

Qual compositor não gostaria de ter um samba de sua autoria embalando o desfile de uma das mais tradicionais Escolas de Samba do Rio de Janeiro, e, ainda por cima, interpretado pelo próprio pai? Esse seria o sonho de qualquer membro das alas de compositores espalhadas pelo Rio de Janeiro, mas será realidade para um sambista em especial: Rafael dos Santos, mais conhecido como Rafael Tinguinha, filho do intérprete Tinga, que assim como o pai estreia na Unidos da Tijuca.

Rafael tem 19 anos e é um dos compositores mais novos do Carnaval carioca. Mas, parece que a pouca idade não assustou em nada o jovem sambista. Antes de ingressar na ala de compositores da Unidos da Tijuca, disputou sambas na Vila Isabel em outras três oportunidades (2011, 2012 e 2013). Em 2014, ao lado dos parceiros Gustavinho Oliveira, Fadico e Caio Alves irá debutar na avenida como compositor campeão, com direito a ver sua obra embalando os mais de 3500 componentes da azul e amarela do Borel, no encerramento do Carnaval carioca 2014. E mais, ao lado do pai no carro de som.

- “A sensação de sair vitorioso é maravilhosa, até mesmo pelo carinho que tenho pela Tijuca e por ser um dos compositores mais novos do Carnaval. Fico muito feliz em levar um samba de minha autoria para a Sapucaí”, afirma Rafael.

Mas quem pensa que o fato do pai ser o detentor da voz oficial da agremiação tijucana gerou tranquilidade para Rafael está enganado. A pressão foi ainda maior!

- “Meu pai fica feliz com a minha conquista, me ajuda, me passa experiência por estar há anos no samba. Ele dá alguns pitacos, mas nesse samba ele não interferiu, justamente por ser o intérprete oficial da Unidos da Tijuca. Ele está realizando o meu sonho e será pra mim algo que vai fica marcado, sem dúvidas, no coração. Tanto eu quanto o meu parceiro Caio Alves (filho da Porta-Bandeira Rute Alves) sofremos muito ao longo da disputa por conta dos parentescos, mas a competição foi muito boa. Aprendemos muito e ganhamos experiência”, desabafa Rafael.

Entretanto, de acordo com o jovem sambista, a pressão poderá ser ainda maior, uma vez que só terá a real dimensão da conquista, quando a Escola entrar na Avenida:

- “Hoje, eu ainda não tenho a dimensão certa de como é ganhar um samba-enredo, ainda mais em uma agremiação do porte da Tijuca. A dimensão verdadeira  eu só terei quando assistir a Escola desfilando com o meu samba na avenida. Será a maior emoção da minha vida e de certo, nunca irei esquecer”, relata o ansioso compositor.

Tinga, o ‘pai coruja’ assumido, diz que está ansioso e com o coração no melhor estilo do enredo: acelerado. Para ele, felicidade e responsabilidade irão se misturar durante o desfile:

- “O coração fica a mil porque é a primeira vez que meu filho ganha um samba. É uma felicidade imensa ver o desempenho dele e vê-lo crescer cada vez mais no mundo do samba. É claro que a responsabilidade aumenta, mas não quero fazer apenas com que a Escola e os jurados gostem do samba. Vou além. Vou fazer com que a Tijuca, com o samba do meu filho, faça um ótimo desfile, se Deus quiser”, declara Tinga.

Sobre a ‘construção’ da obra que se sagrou campeã em meio a outros 24 concorrentes, Rafael elogiou o estilo diferenciado da sinopse do enredo Acelera, Tijuca!, mas não deixou de atentar para a dificuldade em abordá-la integralmente, por conta da grande quantidade de elementos mencionados no texto do carnavalesco Paulo Barros.

- “A sinopse do samba foi realmente diferente, mas vou falar que não foi fácil elaborar o samba, porque o conteúdo da sinopse é muito grande e cheio de ideias. Mas, agradeço a Deus por ter iluminado as nossas cabeças. Procuramos colocar tudo que estava na sinopse no samba e atacar com um refrão forte e alegre no fim da composição. Para mim, isso foi crucial para a vitória”, comemora Rafael.

Ciente de que o samba foi alvo de críticas nas redes sociais, assim que escolhido, Rafael tem a consciência de que a melhor apreciação da obra só ocorre após o lançamento do CD oficial.

- “Muitas pessoas só tem a dimensão da qualidade do samba quando é lançado o CD das escolas. É neste momento que prestam mais atenção na letra e na melodia da obra. Porém, não questiono a opinião das pessoas. Cada um dá o palpite que quer. Me preocupo em fazer a comunidade gostar do samba e fazer com que ela abrace a obra mais e mais. E,  graças a Deus, isso está acontecendo. Nos ensaios de rua e da Sapucaí (dia 16 de fevereiro, a Unidos da Tijuca ensaia no Sambódromo) vocês irão ver um pedacinho do que vai ser no desfile oficial. Podem aguardar que será um grande carnaval, para fechar o  desfile das escolas de samba do Grupo Especial com chave de ouro”, finaliza Rafael, que faz questão de deixar uma mensagem aos torcedores da Unidos da Tijuca:

- “Meus amigos, a Tijuca fará um belo desfile para o carnaval 2014. Espero que curtam o samba, pois se Deus quiser iremos levar esse título para o Borel. Vamos lá nação tijucana! Vamos soltar o bicho na Avenida”.

Rafael dos Santos também irá marcar presença na Sapucaí, na terça-feira de Carnaval, 4 de março. É que o jovem compositor ataca de intérprete. É a voz oficial da escola-mirim Tijuquinha do Borel.

A Unidos da Tijuca será a sexta escola a desfilar na segunda-feira de Carnaval, 3 de março, com o enredo “Acelera, Tijuca!”, desenvolvido pelo carnavalesco Paulo Barros.

Share via email