Manchete
Like

Morre Fernando Pamplona

29 de setembro de 2013
154 Vizualizações
0 Comentários
2 minutes read
Morre Fernando Pamplona

ANDERSON BALTAR

O mundo do Carnaval está de luto. Morreu, na manhã deste domingo (29), o carnavalesco Fernando Pamplona. Aos 87 anos, o artista, que revolucionou o desfile das escolas de samba nos anos 60 com grandes enredos no Salgueiro como “Quilombo dos Palmares” e “Chico Rei”, faleceu de câncer em sua casa, em Copacabana. O enterro será às 16h no Cemitério São João Batista, com velório acontecendo na capela 3.

Genial, revolucionário e polêmico, Fernando Pamplona era professor da Escola de Belas Artes da UFRJ e, em 1959 era responsável pela decoração dos famosos bailes de carnaval do Theatro Municipal quando foi chamado para ser jurado do desfile das escolas de samba. Ao ver o Salgueiro desfilar, tomou uma decisão para o resto da vida: não seria mais jurado e torceria pela vermelho e branca da Tijuca. Convidado pelo então presidente Nelson de Andrade, desenvolve o carnaval de 1960 da escola, “Quilombo dos Palmares”, com uma abordagem inédita: apresentando o negro como protagonista da história. Também de forma inédita, a escola foi campeã.

A partir daí, foram vários carnavais em parceria com Arlindo Rodrigues e vários campeonatos para o Salgueiro em carnavais como “Bahia de Todos os Deuses” (1969) e “Festa para Um Rei Negro” (1971). E uma verdadeira escola  de artistas, integrantes de sua equipe, imprimiria nova cara ao carnaval carioca: Joãosinho Trinta, Maria Augusta, Rosa Magalhães, Lícia Lacerda e Renato Lage.

No final dos anos 70 deixou os barracões e se dedicou a outra atividade que o fez ficar mais conhecido e idolatrado pelas novas gerações. Como comentarista da TV Manchete, notabilizou-se pela defesa das tradições do desfile das escolas de samba, detonando quaisquer traços de distorção e sendo um ferrenho crítico de enredos patrocinados e sambas marcheados.

No início do ano, Pamplona lançou a autobiografia “O Encarnado e o Branco”, lançada pela Editora Nova Terra. Deixa viúva a bailarina Zeni, com quem foi casado por 60 anos e teve três filhas.

 

Leia também: Mundo do carnaval lamenta morte de Pamplona

Fechado para novos comentários.